Páginas

7 de jul de 2010

Fazer o BEM sem olhar a QUEM

Ja falei aqui no blog sobre AJUDA INCONDICIONAL, de experiênciar o verdadeiro significado de fazer o bem, é algo tão sobrenatural quanto humano e nos leva a ver Deus nos pequenos gestos humanos.

Ontem o Rick estava me levando pra Santa Luzia e pela segunda vez a gasolina do carro acabou - por imprudência e não falta de grana - mas tudo bem... voltando ao cerne da história... o carro ainda andou alguns metros até pararmos de vez e, pra melhorar as coisas o Rick parou na contra mão, por que a rua estava em obra e ele achou que este lado da via estava interditada.

Descemos do carro e imediatamente parou um jovem de moto que nos ofereceu ajuda. Perguntou se estávamos bem, se ele poderia fazer algo pra ajudar, empurrou o carro com o Rick até o acostamento, se ofereceu para ir buscar gasolina em um posto próximo dali e ainda nos deixou seu óculos escuro como garantia de que iria voltar.

Isso me fez lembrar de uma crônica que li há mtooooo tempo atrás e ainda hoje me faz refletir.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM...
Uma mulher, no volante de um automóvel vermelho parou no pedágio da ponte da Baía de São Francisco – Oakland e disse com um sorriso: “quero pagar o meu e o dos seis carros que estão atrás de mim”. Um após outro, os seis motoristas seguintes foram chegando ao posto de cobrança com o dinheiro na mão e ouvindo a mesma coisa do funcionário: “seu pedágio foi pago por uma senhora que já passou. Muito bom dia”. A tal senhora tinha lido uma nota colada na geladeira de um amigo:

“FAÇA O BEM SEM OLHAR A QUEM,
PRATICANDO ATOS IRREFLETIDOS DE BELEZA”.

Essas palavras ficaram-lhe na mente enquanto as copiava. Judy Foreman leu a mesma frase na parede de um armazém a 120 km de sua casa em São Francisco. Como não conseguia esquecê-la, fez todo o percurso de volta para tomar nota dela com precisão. “Achei-a muito bonita”, disse, justificando o fato de escrevê-la no início de todas as suas cartas. “É como uma mensagem dos céus”.

Frank, seu, marido, que é professor, gostou tanto dela também que acabou afixando-a na sala de aula de seus alunos do 7º ano, freqüentado por minha filha. Como trabalho num jornal da região, decidiu publicá-la, porque igualmente me agradou, apesar de desconhecer sua origem ou seu verdadeiro significado.

Dois dias mais tarde, soube que Anne Herbert, uma escritora de 40 anos, depois de remoer a frase durante alguns dias, a tinha escrito de repente na toalha do restaurante.

“A idéia é a seguinte”, disse ela. “Se você acha que determinada coisa devia acontecer com mais freqüência, vá fazendo-a ao acaso. Tal como a violência, também na gentileza pode criar raízes e aumentar”.

A mensagem está se espalhando por todo lado, em adesivos de pára-choques, pelas paredes e em cartões de empresas. E, à medida que vai se tornando conhecida, o mesmo sucede com a visão guerrilheira da bondade. Um transeunte pode colocar na hora precisa uma moeda no paquímetro de um desconhecido. Um grupo de pessoas munido de baldes e esfregões pode chegar a uma casa degradada e limpá-la de cima a baixo perante o olhar estarrecido dos velhos proprietários. Os atos irrefletidos de beleza propagam-se. Alguém planta narcisos no acostamento de uma estrada. Um zeloso cidadão percorre as ruas recolhendo lixo.

Um estudante remove pichações num banco de jardim. É uma anarquia positiva, uma desordem pacífica, uma doce agitação. Há quem diga que é impossível sorrirmos sem nos alegrarmos. Do mesmo modo, não podemos fazer algo belo sem sentirmos os nossos problemas um pouco mais suavizados, porque o mundo se tornou de fato um lugar um pouco melhor. E não podemos ser beneficiários sem sentir uma agradável surpresa.

Se você fosse uma das pessoas cujo pedágio tivesse sido pago, quem sabe o que não se teria lembrado de fazer por outra pessoa. Como todas as revoluções, a guerrilha da bondade começa lentamente por um ato isolado.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Confesso que quando vi o rapaz se aproximar e oferecer ajuda, fiquei "um pouco'' desconfiada, mas depois que se ofereceu para ir buscar o combustível, levando nosso dinheiro pra comprá-lo, ai sim fiquei "totalmente" desconfiada.
 
Naquele momento, o rapaz estava fazendo sua parte - algo belo e prazeroso - quem sabe... refletindo sobre seus problemas ou não... só queria o prazer de estar beneficiando pessoas incondicionalmente.
 
Fiquei mto envergonhada, assim que entrei no carro pedi perdão a Deus, mas não pude fazer o mesmo com o rapaz, pois ele saiu tão rápido quanto chegou, nem deu tmp de perguntar seu nome, somente agradecemos de longe e ele se foi. Com o coração alegre, satisfeito e com a certeza de que realizou uma bela ação!!!
 
TOMEMOS ENTÃO A INCIATIVA!!!
Bjs e até breve!!!

Um comentário:

  1. Nossa Karla...
    Esse post é de Deus...Não q. os outros não sejam...
    Mas este aqui peculiarmente tem uma coisa q. me toca...
    Valeu viu...

    Té...................................

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita. Seu comentário tem grande valor, ele me ajuda a crescer e melhorar!!!

Para receber um orçamento, por favor, deixe seu e-mail, orçamentos não são fornecidos por aqui.

Os comentários serão respondidos aqui mesmo ok?
Volte sempre!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...